(Resenha) A Luz Entre Oceanos - M. L. Stedman

Livro no Skoob: A Luz Entre Oceanos
Título Original: The Light Between Oceans
Autora: M. L. Stedman
Editora: Rocco
Páginas: 368
Ano: 2013
Romance de estreia da australiana M. L. Stedman, A Luz entre Oceanos alcançou as principais listas dos mais vendidos do mundo, incluindo o cobiçado ranking do The New York Times, onde permaneceu por mais de quatro meses. Escrito por uma advogada que aborda os limites da ética e os dilemas morais sob diferentes pontos de vista, o romance conta a história de Tom Sherbourne, faroleiro de uma ilha isolada na costa oeste da Austrália, e sua mulher, Isabel. Impedidos de ter filhos,  a vida do casal sofre uma reviravolta quando um barco à deriva aporta na ilha. Publicado em 25 países, A Luz entre Oceanos é um livro emocionante sobre perdas trágicas, e escolhas difíceis, sobre a maternidade e os limites do amor. 

                                         “Nós sempre temos uma escolha. Todos nós”
Tocante, essa palavra define essa história, quando li a sinopse desse livro e o solicitei para resenha, já sabia que ele seria emocionante, porém eu não estava preparada para o que estava por vir.

A luz entre oceanos retrata a história de Isabel e Tom Sherbourne. Depois da 1º Guerra Mundial, Tom pode finalmente voltar para casa, mas não da mesma maneira que ele foi, apesar de não ter ficado com nenhuma cicatriz física, o mesmo não pode ser dito da sua alma, e depois de todos os traumas pelos quais passou, ele só deseja uma coisa: Paz!. Por isso, mesmo sendo um homem com qualificações, ele aceita o cargo de faroleiro de uma ilha isolada ao oeste da costa australiana: Janus Rock. Ficar sozinho, isolado do mundo, só ele e a calmaria da natureza, era tudo o que ele mais desejava, porém, a vida lhe prepara uma surpresa. Antes de se mudar para Janus Rock, ele conhece Isabel, uma jovem cheia de vida, que o desafia a se abrir, e se permitir amar e ser amado, ela é encantadora, e Tom não consegue resistir à essa garota tão vivaz.

Os dois então se casam e Isabel vai morar com ele na ilha, é um mundo só deles, e eles são muito felizes juntos, então Tom não consegue acreditar no quanto a vida está sendo boa para ele quando Isabel engravida. Porém em poucas semanas ela sofre um aborto espontâneo, o que a deixa arrasada. Pouco tempo depois ela engravida novamente, e quando já está no 7º mês de gestação, quando ela pensa que dessa vez a vida sorriu para ela, Isabel perde novamente o seu bebê. Ela fica devastada pela dor da perda, já havia comprado e ganhado coisas para seu filhinho. Uma garota que era tão alegre, perde o brilho do seu olhar, e Tom se vê de mãos atadas, pois não sabe o que fazer para ajudar a mulher que ele tanto ama.

Poucos dias depois do último aborto, um barco aparece na ilha, trazendo dentro dele um homem morto e um bebê ainda vivo, e com a chegada dessa criança os olhos de Isabel voltam a brilhar, quase como se tivesse sido enviada por Deus. Um filho sem pais, para pais sem filhos. Tom diz para Isabel que por mais que eles desejem eles não podem ficar com a criança, mas Isabel não aceita, ela mente para si mesma, dizendo que eles não devem renegar essa dádiva de Deus, e Tom não é capaz de negar essa alegria para a única pessoa que ele ama nesse mundo, como ele poderia negar para ela o seu maior desejo depois de tudo o que ela passou.

Em Janus Rock eles se sentem protegidos, mas eles não podem ficar lá para sempre, e quando eles voltam para Partageuse para levar a pequena Lulu para conhecer seus avós e batizar a criança, eles fazem uma descoberta que irá mudar a vida deles para sempre. Lulu na verdade se chama Grace, que estava desaparecida, que todos pensam que morreu, e sua mãe Hannah, nunca se recuperou da perda da filhinha e do marido, e nunca desistiu de procurá-los.

A dor de Hannah é demais para a consciência de Tom, e ele confronta a sua esposa, pois só eles podem dar fim ao sofrimento daquela mulher. Mas Isabel sabe que eles foram longe demais para voltar atrás agora. Mas o que Tom e Isabel decidiram fazer vai trazer consequências muito graves para ambos, algo que irá marcar os dois para sempre. 
“Vivemos com as decisões que tomamos, Bill. Isto é coragem. Aguentar as consequências de nossos erros. ”
O livro fala de dilemas éticos, de até onde podemos ir por amor, questões sobre o que é certo e o que é errado. O que é de fato justo? O quanto uma escolha errada, feita no calor da emoção, no meio de tanta dor pode ser justificada. Nós sentimos a dor de Isabel e Tom, por tudo que eles passaram antes de se conhecer, e o quanto a vida ainda se mostrou ingrata mesmo depois dos dois estarem juntos. Simpatizamos com o sofrimento deles, mas é difícil ignorar a dor de Hannah, é justo que ela tenha sua filha de volta, mas agora Lulu também é filha de Tom e Isabel. O que de fato é o melhor para essa criança que só conheceu uma única vida, uma única família.

Eu confesso que esse livro tirou lágrimas dos meus olhos, o que não é nada fácil para mim, e olhe que eu já li de Nicholas Sparks à Jojo Moyes. Minha cunhada há poucos meses sofreu um aborto espontâneo, então eu me identifiquei muito com o sofrimento da Isabel, seu desejo frustrado de ser mãe, ela e Tom sofreram tanto, e a vida ainda armou mais essa peça para eles. Eles mereciam ser felizes, mas a felicidade foi roubada deles, e Lulu fez tão bem para eles, ela mudou a vida deles, como um sol depois de uma noite escura. Mas o preço da felicidade deles era muito alto, era resultado do sofrimento de outra pessoa, uma mulher que já havia perdido o marido. O livro te faz refletir nesses dilemas, e mostra que a vida não é preta e branca, ela tem muitos tons de cinza. Uma história emocionante, que te prende, e não te permite largar o livro até descobrir como tudo irá terminar.

O livro foi adaptado para o cinema, e pelo que vi do trailer, parece bem fiel. Estou ansiosíssima para vê-lo, a estreia aqui no Brasil será amanhã (02/11), ou seja, já separei o meu lencinho, e preparei meu coração para ir ao cinema me emocionar. Uma história marcante que eu super recomendo, espero que vocês leiam, assistam e curtam tanto quanto eu.

A LUZ ENTRE OCEANOS foi cedido em parceria com a EDITORA ROCCO

Capa Filme (2016):


Sobre a autora:





M. L. Stedman é nascida e criada no oeste australiano e agora vive em Londres. ''A Luz entre Oceanos'' é o seu primeiro livro e conta com a adaptação para o cinema com Alicia Vinkander e Michael Fassbender, que estreou em 2016. 

15 comentários:

  1. Oi Amanda!

    Eu vi o trailer do filme e já percebi que o livro era de nos fazer chorar. A história realmente parece ser emocionante e que bom que foi uma boa leitura pra vc!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  2. OOOOOI

    não conhecia o livro até agora, mas... só pela sinopse e pela capa já deu pra ver que emoção deve definir a leitura.
    Resquícios de guerra sempre trazem boas histórias com muitos ensinamentos. Super leria sim!

    beijo
    beinghellz.com

    ResponderExcluir
  3. Oi Amanda!
    Já tinha ouvido falar do livro e do filme, mas ainda não conhecia a história até ler sua resenha. Fiquei com vontade de ler e assistir!

    Beijos,
    Sora - Meu Jardim de Livros

    ResponderExcluir
  4. Oi, Amanda!
    Fiquei sabendo do filme e do livro e, olha... Lágrimas irão rolar até dizer chega.
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
  5. Oie
    Não conhecia o livro, mas fiquei bem interessada, parece ser uma história emocionante.

    Beijinhos
    http://diariodeincentivoaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Nossa, que curiosa essa história. Não conhecia nem o livro e nem o filme. Não faz muito meu estilo, mas mesmo assim me chamou a atenção :)

    http://www.vivendosentimentos.com.br

    ResponderExcluir
  7. Oi, Amanda. Tudo bem?
    Já ouvi falar sobre o filme, porém, não sabia que tinha o livro... Fiquei com muita vontade de ler, parece ser muito bom. Vai para a minha lista!!! Kkkk
    Amei a resenha, viu? :)
    Beijos,
    Keth.
    Blog: www.parbataibooks.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  8. Oi
    eu vi o trailer do filme nem sabia que era baseado em um livro, essa história parece ser muito emocionante, acho que ficaria dividida, salvei o nome aqui.

    momentocrivelli.blogspot.com

    ResponderExcluir
  9. Olá,
    Ah, eu estou doida para ler esse livro, por causa do filme mesmo!
    Eu tenho certeza que vou me emocionar lendo/assistindo, mas dessa vez o filme virá primeiro.

    Linda sua resenha e força para sua cunhada, viu?

    tenha uma ótima quinta =D
    Nana - Obsession Valley

    ResponderExcluir
  10. Oiiii Amanda

    Que resenha linda! Confesso pra ti que nem sabia do que essa história se tratava, adorei a abordagem da autora, essa questão das escolhas que fazemos e as consquencias que elas terão seja pra nós mesmos futuramente ou para outros. Fiquei curiosa pra conhecer o final dessa história...

    Beijos

    unbloglitteraire.blogspot.com.ar

    ResponderExcluir
  11. Oi Amanda,
    O trailer do filme que me encantou em primeiro lugar, aí só depois descobri que tinha o livro, rs.
    Parece liiiiiiiiindo!
    Beijos
    https://estante-da-ale.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Esse livro parece ser muito bom! Com uma trama forte e emocionante. É bom quando nos identificamos com os sentimentos dos personagens, né? Mesmo que eles não sejam bons. ISso faz com que possamos sentir mais a trama.
    Beijos,
    Monólogo de Julieta

    ResponderExcluir
  13. Olá!
    Parece ser um livro altamente tocante, principalmente porque a maternidade é algo que mexe com as pessoas. Ademais, os personagens parecem ser profundos.
    Certamente quero conferir.

    Desbravador de Mundos - Participe do top comentarista de novembro. Serão dois vencedores, dividindo 3 livros.

    ResponderExcluir
  14. Olá, tudo bem? Parece ser um livro bem tocante mesmo, não sei se estou preparada... Gostei muito da sua resenha e fiquei louca para ler a estória!

    Beijos,
    Duas Livreiras

    ResponderExcluir
  15. Olá, tudo bem? Terminei de ler o livro ontem e me emocionei tanto, que não parava de chorar. Achei a história linda e tocante. Fiquei super dividida, pois, ao mesmo tempo que senti muita pena da Isabel e do Tom, eu me compadeci da Hannah também, que perdeu o esposo e a filhinha. A autora está de parabéns, o livro é super bem escrito, não dá vontade de parar de ler. Pena que não vi o filme!

    ResponderExcluir