(Resenha) O Retrato de Dorian Gray - Oscar Wilde

Livro no Skoob: O Retrato de Dorian Gray
Título Original: The Picture of Dorian Gray
Autor: Oscar Wilde
Adaptação: Clarice Lispector
Editora: Rocco
Páginas: 160
Ano: 2016
Um clássico do escritor irlandês Oscar Wilde traduzido para jovens por ninguém menos que Clarice Lispector. Dando continuidade à publicação de histórias universais adaptadas pela grande escritora brasileira, como O chamado selvagem, de Jack London, Viagens de Gulliver, de Jonathan Swift, A ilha misteriosa, de Julio Verne, e O talismã, de Walter Scott, O retrato de Dorian Gray apresenta aos leitores brasileiros o gênio singular e o humor mordaz de Oscar Wilde. Na trama, Dorian Gray é um jovem belo e virtuoso que tem seu retrato pintado por Basil Hallward, um artista sensível que procura imortalizar na tela toda a beleza, pureza e inocência de seu modelo. Ao ser apresentado a Henry Wotton, no entanto, Dorian é seduzido pelo estilo de vida libertino do lorde e de seus amigos, e mergulha numa vida de vícios e devassidão que se refletem, não em sua aparência real, mas no retrato, que revela o envelhecimento e a corrupção de sua alma.

                                 "A única maneira de se livrar de uma tentação é ceder-lhe."

O Retrato de Dorian Gray, sempre foi um livro que me despertou curiosidade, muitas vezes vi adaptações desse clássico e não conseguia conter o meu fascínio por tão enigmático personagem da literatura. Agora após conhecê-lo melhor, não sei se gosto ou não de nosso infame e belo protagonista.

Em meio a sociedade Londrina, conhecemos o pintor Basil, que ao conhecer o jovem e belo Dorian Gray, fica imensamente encantado por sua beleza, e resolve pintá-lo para assim imortalizar para sempre o tão precioso rosto de seu amigo, porém seu amor pelo jovem se fez tanto que ele temia que ao revelar sua pintura, estaria revelando ao público sua própria alma, e dessa forma presenteia Dorian com o quadro. Ao mesmo tempo Lorde Henry, amigo de Basil, fica intrigado com a afeição que o pintor professa pelo jovem e não descansará até conhece-lo, porém Basil teme que Lorde Henry possa influenciar o puro e inocente Dorian, que é conhecido por sua alma gentil.
''Você é de fato uma má influência, Lorde Henry? Tão má quanto Basil diz?''
''Não existe essa coisa de boa influência, senhor Gray. Toda influência é imoral – imoral do ponto de vista científico.''
''Por quê?''
''Por que influenciar alguém é dar-lhe sua própria alma [...]''
Após alguns diálogos com Lorde Henry, Dorian passa a refletir sobre sua imagem, a conhecer o poder que ela traz, e ao se imaginar envelhecendo e perdendo seu encanto, o mesmo chega a conclusão que daria até mesmo sua alma para se eternizar como fora retratado por Basil, sempre jovem e belo.

A partir daí, somos apresentados ao pecados do jovem Dorian, como isso o afeta e como ele lida com as consequências de seus atos, mas ao mesmo tempo temos a imagem de Lorde Henry sempre ao seu lado, sussurrando palavras ao seu ouvido como se a própria serpente a tentar a Eva, como alguém tão belo pode se culpar por atos alheios? Como se deixar abater por fatos do passado?

Embarcamos agora numa jornada em busca de sentir algo, de testar os limites de Dorian, enquanto ele assiste as marcas de seus pecados não mais em seu corpo, mas sim em sua alma, em seu retrato. Cada mancha, cada expressão, as piores maldades que ele comete, e mesmo assim conservar o seu ar angelical, como poderia alguém jamais jugá-lo mal?

Esse não é um livro fácil ou divertido de se ler, ele nos traz reflexões sobre a sociedade, nós mesmos, como vemos nossa alma? O que ela nos mostra? O que se esconde atrás de belos rostos e sorrisos gentis? Dorian Gray pagou caro por sua vaidade, ao fim seu retrato repugnava a si mesmo, suas ações devassas e seus pecados o seguiam e o assombravam. Ao meu ver o autor fez aqui críticas nada sutis a sociedade Inglesa, aos costumes da época e suas hipocrisias, não podemos negar o valor desse clássico, nem deixar de admirar o autor por tocar em assuntos polêmicos, como o amor de Basil pelo Dorian.

O Retrato de Dorian Gray é um volume da coleção Os Favoritos, adaptado pela escritora e jornalista Clarice Lispector (1920 a 1977) através do Selo Jovem, da Editora Rocco.

O RETRATO DE DORIAN GRAY foi cedido em parceria com a EDITORA ROCCO


Sobre o autor:


Nasceu em 16 de outubro de 1854 em Dublin, Irlanda. Filho de William Robert Wilde, cirurgião-oculista que servia à rainha. Sua mãe, Jane Speranza Francesca Wilde, escrevia versos irlandeses patrióticos com o pseudônimo de Speranza. Foi educado no Trinity College, Dublin e mais tarde em Oxford. Lá ele recebe a influência de Walter Pater e da doutrina da "arte pela arte". Em 1879, vai para Londres, para estabelecer-se como líder do "movimento estético". Em 1881 é publicada uma coletânea de seus poemas. Em 1882, sem dinheiro, aceita participar de um ano de viagens entre USA e Canadá. Essa viagem lhe rendeu fama e fortuna.
Em 1884, casa-se com a bela Constance Lloyd. Com a publicação de "Retrato de Dorian Gray", sua carreira literária deslancha.

11 comentários:

  1. Oi! Eu li este livro faz tempo e embora não seja um dos meus favoritos, ele traz assuntos pertinentes e para pensar.

    Bjos!! Cida
    Moonlight Books

    ResponderExcluir
  2. Gostei da resenha Janiele. Li esse livro na época de escola e a obra me marcou. O Retrato de Dorian Gray nos traz um enredo profundo e intenso, tanto que serviu de pano para vários filmes e séries. Beijo!

    www.newsnessa.com

    ResponderExcluir
  3. Olá, Janiele.
    Eu li esse livro tem muito tempo já e confesso que não lembro muita coisa do livro não. Me recordo bem da história porque assisti ao filme esses dias atras. Mas na época lembro que gostei. Mas não posso levar isso por consideração porque na época eu gostava de tudo que eu lia hehe.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
  4. Nunca cheguei a ler o livro, mas já vi alguns filmes sobre a história do Dorian e é pesado mesmo. Por um lado é algo positivo, já que nos faz pensar, mas talvez não seja uma obra indicada a todos. Ótima resenha!!

    xx Carol
    http://caverna-literaria.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Oie Janiele =)

    Li esse livro há muito tempo, na época de escola tanto que acabei não gostando muito. Mais tarde quando tinha uns 18/19 anos acabei dando uma chance e relendo ele. É um livro dificil, complexo e muitos pontos, mas da segunda leitura eu consegui me envolver mais com a história.

    Longe de ser a melhor leitura da minha vida, mas sem sombra de dúvidas um bom livro.

    Beijos;***

    Ane Reis.
    mydearlibrary | Livros, divagações e outras histórias...
    @mydearlibrary

    ResponderExcluir
  6. Oi Janiele,

    Eu acho um livro incrível, o protagonista é bem marcante e tem uma trama muito bem trabalhada né? Ótima indicação!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  7. Olá Janiele, tudo bem?
    Eu já assisti a algumas versões deste livro, e te confesso que não curto muito a história, por isso nunca tive vontade de ler o livro. Gostei muito da sua resenha, pois conseguiu me elucidar alguns pontos que tinha curiosidade.
    Bjus
    Lia Christo
    www.docesletras.com.br

    ResponderExcluir
  8. Meu único contato com esta obra foi através do filme que por sinal assisti duas vezes, nunca li o livro e confesso não ter assim taaanta vontade, existem outros clássicos que me chamam mais a atenção. Acho que a culpa é por eu não simpatizar muito com o protagonista.

    Bj, Van - Retrô Books
    http://balaiodelivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Nossa...esse livro parece intenso. Eu gosto disso...dizem que Oscar é um dos melhores escritores. Nunca li nada dele. Apesar da dúvida que se instalou sobre gostar ou não do personagem, queria muito ler esse livro.
    Beijos,
    Monólogo de Julieta

    ResponderExcluir
  10. Olá,
    Tenho muita curiosade em ler esse clássico!
    Acho que a única 'adaptação' do personagem que vi foi em Penny Dreadful mesmo, era apaixonante, a propósito haha

    tenha uma ótima semana.
    Nana - Obsession Valley

    ResponderExcluir