Onde Deixarei Meu Coração, de Sarra Manning

              SKOOB: Onde Deixarei Meu Coração
              ORIGINAL: Nobody's Girl
              AUTORA: Sarra Manning
              EDITORA: Galera Record
              PÁGINAS: 336
              ANO: 2014



Simples, careta e sem graça. É assim que Bea se vê. Então quando a super descolada Ruby e seu bando de populares passam a se interessar por sua opinião, isso só pode ser uma pegadinha. Certo? Pelo menos é assim que sempre acontece nos filmes... Mas o convite para passarem as férias em Málaga parece pra valer. E com um bônus: Bea pode se afastar da mãe irritante e controladora. No entanto, depois de apenas 48 horas na Espanha, Bea se flagra mudando o itinerário. A menina decide visitar Paris para encontrar o pai que nunca conheceu. Afinal, a cidade luz pode emprestar um pouco de clareza a um período nebuloso de sua vida familiar. No caminho, ela conhece Toph, um estudante americano mochilando pela Europa. Enquanto procuram pelo pai dela nos cafés e boulevards de Paris, ela perde a cabeça em vez disso. Será que Bea é a garota de Toph ou a boa menina que sua mãe espera que ela seja? Ou será esse o verão mágico em que Bea finalmente torna-se dona do próprio nariz?

"Les temps sont durs pour les rêveurs."

Já não basta a capa ser linda, aí o livro começa com essa frase, então eu pergunto a você querido leitor, tem como não se apaixonar? 

Onde deixarei meu coração é o segundo livro que eu leio da Sarra Manning, e se eu já tinha gostado de Os Adoráveis, agora eu me encantei completamente pela escrita da autora.

O livro é narrado em primeira pessoa, e confesso que o inicio é bem morgado, Bea é uma jovem de 17 anos que faz o estilo filha perfeita, já que ela é passiva ao extremo, e isso ocorre em todos os seus relacionamentos, incluindo familiares e amigos, a prova disso é que ela nunca namorou. Em nenhum momento ela se mostra para o mundo, ou impõe as suas vontades. E ela é uma garota tão incrível, mas que deixa todas as coisas extraordinárias acontecerem apenas na sua imaginação.

"Não quero beijar garotos estranhos em quartos estranhos - discursei. - Eu quero romance. Quero ser louca por um garoto e que ele seja louco por mim também, assim, mesmo que a gente acabe cometendo um erro, ele não me abandone num piscar de olhos. Mas romance parece estar tão fora de moda…”.

Ela faz parte do grupo das não populares, e por ser como é se sente uma garota solitária, e sem graça, desinteressante, e chata, até a sua melhor amiga de infância, Ayesha, se afastou para andar com as populares, porém de uma hora pra outra ela volta querendo se aproximar de Bea, e mais, querendo que ela faça parte do grupo das populares formado por Ruby, a chefe do bando, e as suas súditas, Chloe e Emma.

Ela se sente bastante deslocada, mas acaba aceitando andar com elas, e tudo passa a ser tão diferente, saídas a noite, preocupação em seguir a moda, e claro, ficar com garotos nas festas. E tudo chega ao auge quando as garotas chamam Bea para uma viagem para a Espanha, só elas, sem nenhum adulto por perto supervisionando. E depois de algumas discussões, para tentar convencer a mãe de Bea a deixá-la ir, já que ela é controladora ao extremo, nossa mocinha parte para outro país, para uma viagem que vai mudar a sua vida para sempre, não será uma viagem fácil, pois ela irá mudar Bea, mas nenhuma mudança é, sempre é dolorido passar por esse processo, mas mesmo assim eu ouso dizer que a Ruby, foi uma das melhores coisas que aconteceu a Bea.

“Esse era o lance de ser chata e sem graça e não ter coragem. As pessoas presumiam que era seguro falar todo tipo de crueldade que deviam ter guardado para si mesmas porque nunca imaginavam que você teria a ousadia de contar para alguém.”

Bea passa apenas uma noite na Espanha, no outro dia ela resolve voltar para casa, mas os acontecimentos das 48 horas anteriores despertou algo em Bea, e ela não quer mais deixá-lo dormir. Então com muita ousadia ela resolve pegar um trem para a França e tentar encontrar o pai que ela nunca conheceu.

Mas as coisas não saem como Bea planejou, por não saber falar espanhol ela acaba indo parar em Bilbao, ainda na Espanha. Totalmente perdida, ela dá sorte de encontrar um grupo de 6 jovens americanos que estão mochilando pela Europa, são eles Erin, Bridge, Michael, Aaron, Jess e Toph, e mais sorte ainda é eles também irem à Paris. Eles então a convidam a se juntar a eles. O que se torna mais um ato ousado da parte de Bea, pois ela resolve aceitar.

Nessa viagem nós vemos o crescimento gradativo que a Bea vai tendo, passar um tempo com pessoas mais velhas que ela, mas que a tratam super bem, todos no grupo são muito legais, porém em algum momento eles precisam ir embora, e voltar para casa, mas Bea ainda não está pronta para voltar, então ela se vê em Paris acompanhada apenas por Toph, um garoto de 20 anos extremamente fofo, lindo e encantador, que vai fazer dessa viagem a Paris, inesquecível.

“[...] antes deste verão as histórias e fantasias na minha cabeça eram muito melhores que a tediosa vida real; ate eu dormir no trem e, quando acordei, lá estava você. Foi como se tivesse acordado de um sono profundo e eu vi o mundo de uma nova maneira. Que eu não precisava mais sonhar porque a vida que estava vivendo era melhor que qualquer coisa que pudesse inventar. E essa vida tinha você nela, Toph.”

O livro é deliciosamente encantador, não é daqueles que tem uma trama que arrebata a nossa atenção, mas que ao contar uma história quase que cotidiana, consegue nos conquistar. Em muitos momentos eu me identifiquei com a Bea, as suas dúvidas e anseios, na dificuldade que é ter uma mãe controladora, mesmo hoje aos 23 anos, ainda é difícil pra mim encontrar um equilíbrio entre a minha liberdade e a autoridade da minha mãe. Eu ficava o tempo inteiro torcendo pela Bea, para que ela enfrentasse a vida de peito aberto, e posso dizer que a Bea que termina o livro é bem mais madura, confiante, livre, e totalmente diferente da que iniciou. 

Ela pisa na bola algumas vezes, e confesso que também quis dar uns tapas nela, mas também senti vontade de consola-la, abraça-la e dizer que tudo ia ficar bem pois tudo na vida passa, por mais difícil que possa parecer e que em alguns momentos a gente precisa fazer o que tem que ser feito.

“- Mas você disse que era adulta agora e, sinto lhe dizer, garota, mas quando você é adulta, tem que lidar com todo tipo de merda com a qual preferiria não lidar.”.

O livro fala sobre crescer, amadurecer, perdoar, sobre o autoconhecimento e a descoberta do amor, de uma garota inteligente e meiga, que resolve correr atrás dos seus sonhos, e que acaba se apaixonando ainda mais por Paris. Ah… Paris, a cidade luz, a Sarra é tão boa nas suas descrições, ela não se prolonga de mais, só o suficiente para sermos transportados para vários lugares, e ficarmos encantados. E não dá para se apaixonar por Paris sem lembrar-se do filme Le fabuleux destin d'Amélie Poulain, a Bea é apaixonada por esse filme, assim como eu, e o livro trás muitas referencias ao filme o que o torna ainda mais encantador. 

Então meu caro leitor, apesar do início ser bem parado, o livro me encantou de tal maneira que eu posso dizer que foi uma das leituras mais fofas que eu fiz esse ano, vou guardar essa história num cantinho especial no meu coração, e por isso ele com certeza é um dos meus favoritos.


ONDE DEIXAREI MEU CORAÇÃO foi cedido em parceria com a Galera Record

Se alguém ainda não conhece o filme que é extremamente importante nessa história (não é essencial, mas assista, você vai se apaixonar), segue a baixo o trailer de "O Fabuloso Destino de Amélie Poulain", não tem como assistir esse filme e não se deixar envolver como a Bea, ele é de uma delicadeza encantadora.  


Então, depois de assistir o filme, leia Onde deixarei meu coração ao som da trilha sonora de Amélie:





SOBRE A AUTORA:





Sarra Manning é escritora e jornalista. Foi editora do caderno de moda da Ellegirl, na Inglaterra. É articulista em revistas e jornais, como ELLE, Grazia, Red, InStyle, ¬ e Guardian, Sunday Times Style e Harper`s Bazaar. É autora best-seller com romances para jovens, mas escreve para adultos também. Sarra Manning vive no norte de Londres com seu Bull Terrier.


8 comentários:

  1. Oie Amanda
    eu amei esse livro, apesar dele não ter entrado para os favoritos. A Bea é tão parecida comigo, que eu até me assustei (acho que sou um pouquinho mais descolada atualmente aos 30 rs)
    E O Fabuloso Destino de Amélie Poulain é um filme que eu AMO. Meu sonho é ter um quarto igual ao do filme, e o de Bea rs
    bjos
    www.mybooklit.com

    ResponderExcluir
  2. Oi Amanda, como vai?

    Esse livro está sendo super bem falado em todos os blogs, isso está me despertando bastante a atenção para ele. Vou ver se consigo ler ano que vem, porque não posso comprar mais nada esse ano. Beijos!

    http://euvivolendo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Oi, Amanda! Tudo bem?
    Confesso que entre os dois livros já lançados da autora no Brasil, fiquei mais animada para ler "Os Adoráveis" do que "Onde Deixarei Meu Coração". Ainda assim, fiquei um pouquinho curiosa com relação a história devido a ambientação (Paris <3) e agora que eu descobri que a personagem principal ama "O Fabuloso Destino de Amélie Poulain", fiquei ainda mais animada para descobrir um pouco mais sobre o livro! Sem contar que essa capa é maravilhosa né? Acho que essa é uma boa pedida para uma leitura leve e rápida e espero gostar tanto quanto você! Bjs
    Jéssica - http://lereincrivel.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim Jéssica, a leitura é leve, sem muitas pretensões, eu adorei o livro por ter me identificado muito com a Bea. Mas os Adoráveis tbm é muito bom.
      Bjs

      Excluir
  4. oi ;)
    Eu confesso que as vezes eu sinto viver isso que Bea vivia, viver coisas extraordinárias apenas na minha imaginação. Contudo, tenho tentado mudar isso, só não rola ir para Paris pq a situação financeira n ajuda hauahuahuhau
    a capa realmente é linda, eu amoooo a lingua francesa, sou louca para conhecer Paris e Amelie é uma fofura total ><
    tem postagem nova no meu blog
    te espero por la
    bjs

    http://dudikobayashi.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dudi, tbm me identifiquei muito com a Bea, mas infelizmente não posso ir apara Paris como ela rsrsrs.
      Pode deixar, passo sim no seu blog...
      Bjs

      Excluir
  5. Oi, Amanda!
    Eu também me identifiquei com a Bea. Se bem que ela representa mais uma parte minha do passado. Atualmente busco ser mais independente.
    Foi uma boa leitura para mim também, mas não entrou para minha lista de favoritos. Prefiro "Os Adoráveis"; este me encantou mais.
    Abraço!

    "Palavras ao Vento..."
    www.leandro-de-lira.com

    ResponderExcluir
  6. Que bom que você gostou tanto assim do livro!
    Já li Os adoráveis (um dos melhores livros da minha vida!) e estou super ansiosa para conferir Onde deixarei meu coração, porém algumas pessoas andam me dizendo que não é, nem de longe, tão bom quanto Os adoráveis...
    Aí estava desanimando... Mas sua resenha me fez botar mais fé no livro e agora eu QUERO ELE!kkkkk

    Bjs, Yara.
    http://www.ilusoesescritas.com/

    ResponderExcluir