A Filha da Minha Mãe e Eu - Maria Fernanda Guerreiro

LIVRO NO SKOOB: A Filha da Minha Mãe e Eu
AUTORA: Maria Fernanda Guerreiro
EDITORA: Novo Conceito - Jovem
PÁGINAS: 272
ANO: 2012
MINHA AVALIAÇÃO:
Mesmo quem nos ama às vezes não consegue ver quem realmente somos
Sensível e tão real a ponto de fazer você se sentir parte da família, A filha da minha mãe e eu conta a história do difícil relacionamento entre Helena e sua filha, Mariana. A história começa quando Mariana descobre que está grávida e se dá conta de que, antes de se tornar mãe, é preciso rever seu papel como filha, tentar compreender o de Helena e, principalmente, perdoar a ambas. Inicia-se, então, uma revisão do passado – processo doloroso, mas imensamente revelador, pautado por situações comoventes, personagens complexos e pequenas verdades que contêm a história de cada um.

Uma ida ao psicólogo.
A filha da minha mãe e eu é um livro com um tema bem complicado, acho que a maioria das filhas vão concordar comigo. Eu mesma confesso que o meu relacionamento com a minha mãe não é perfeito, mas não chega a ser tão complexo quanto a de Mariana e Helena.
Quando comecei a ler esse livro pensei que ele fosse focar apenas na relação entre mãe e filha, mas não é só isso. Para facilitar o entendimento sobre o que a Mariana sente e faz, a autora vai se aprofundar uma pouquinho não só na mãe da Mariana, mas também no restante da família: pai, irmão, tios e avós.
Mariana é uma jovem mulher que descobre que está grávida do seu primeiro filho, e o primeiro pensamento que lhe vem a cabeça é: “com meu filho vai ser diferente”, pois ela e sua mãe sofreram muito por causa de vários mal entendidos e problemas de relacionamento entre as duas. Depois dessa descoberta a Mariana começa a narrar como foi esse relacionamento com a sua mãe e para isso ela vai contando um pouco do seu passado, desde pequena até a idade adulta quando ela fica grávida.
Um ponto que eu não entendi muito bem no livro é que quando eu li a sinopse pensei que a Mariana só vai fazer as pazes com a sua história, o seu passado, depois da gravidez, e eu posso até te entendido errado, mas o que me deu a entender no decorrer da leitura é que a Mariana já tinha compreendido tudo o que tinha acontecido com ela e a sua mãe, já sabia o porquê dos seus sentimentos e atitudes, isso antes de descobrir que estava grávida. Então teoricamente a Mariana só gostaria de nos contar a sua história, mas se foi essa a intenção da autora eu acho que a Mariana deveria ter interagido mais com o leitor (o livro é narrado em primeira pessoa) e explicado o porquê de ela querer nos contar a sua historia.


Mas enfim seja lá qual foi a intenção do livro a Mariana segue contando a sua historia, e aproveita e conta um pouco da historia de outros dos seus familiares, e confesso que em alguns momentos eu ficava perdidinha. Porque em alguns momentos estava sendo narrada alguma situação cotidiana da vida da Mariana, ai de repente ela começava a falar da infância do pai, ou quando eu via, ela já tava falando da infância da tia... E eu pensando: espera! Estamos falando de quem agora? Enfim depois de passada essas histórias familiares eu consegui acompanhar a narrativa mais tranquilamente.
Eu não vou focar nas características dos personagens porque é exatamente isso que o livro vai fazer. Então resumindo, “A filha da minha mãe e eu” é um bom livro, a história é bem humana, com personagens bem próximos a realidade, com pessoas que tem defeitos e qualidades, que sofrem e também tem momentos felizes. Tirando algumas partes que me deixaram confusa durante a leitura, o livro não chegou a ficar arrastado em nenhum momento, conseguiu me manter ligada na leitura, mas também não foi algo que chegou a me prender. Um livro que nos faz refletir um pouco sobre a nossa própria história.

“Toda relação, mesmo entre pais e filhos, é uma via de mão dupla na qual se ensina na mesma medida em que se aprende.”

Esse livro é uma cortesia da Editora Novo Conceito

BOOKTRAILER:

SOBRE A AUTORA:

Médica, jornalista, atriz, advogada, cantora e psicóloga até os 15 anos, Maria Fernanda Guerreiro nasceu em 18 de janeiro de 1973, na cidade de São Paulo, e acabou optando por cursar Publicidade depois de ser uma das finalistas em um concurso de melhor redação entre as escolas de ensino médio de São Paulo. Formada em Comunicação pela FAAP, trabalhou como redatora em algumas das mais premiadas agências de propaganda do País até 2008, quando nasceu seu primeiro filho. Atualmente é uma das roteiristas do longa Estação Liberdade. O livro “A Filha da Minha Mãe e Eu” é seu romance de estreia.


12 comentários:

  1. Às vezes até esqueço que tenho esse livro, ele está há um tempinho aqui na estante mas eu não consigo me interessar por ele, não sinto vontade de ler.
    Parece ter uma temática interessante e tudo mais, mas vou esperar pelo momento certo, talvez se eu ler agora não consiga curtir a leitura do jeito certo.

    Beijos
    Caline - Mundo de Papel

    ResponderExcluir
  2. OI Amanda!
    Parabéns pela resenha, ficou ótima!

    Olha eu já havia visto esse livro em algumas caixinhas de correio, mas não tinha visto nenhuma resenha, até agora.

    Tenho que confessar que logo que eu o vi, já imaginei o que poderia vim.. e de certa forma acertei. Não tenho planos para lê-lo, esse é um tema que não me atrai tanto.

    Beijos :*
    Natalia.
    OBS: você pode achar estranho o blog, mas ocorreu algumas mudanças no seu template e tals ;))
    http://musicaselivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Eu achei a história deste livro incrível. Li numa sentada de tanto que me senti conectada com a história, mesmo que o relacionamento que eu tenho com minha mãe seja totalmente diferente do relacionamento da Mariana com a mãe dela.
    Adorei o livro e recomendo bastante, rs.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  4. Oi Amanda,

    Eu ainda não li este livro,
    mas sua resenha me chamou bastante atenção, apesar das 3 estrelas.

    Acho que vou pegar ele para ler em breve.

    Beijoos!

    ResponderExcluir
  5. Gostei muito da resenha! Nunca tinha ouvido falar deste livro, mas ele parece ser muito bom. Vou procurar saber mais sobre ele.

    Letícia
    www.odomdaescrita.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Ainda não li o livro, mas vi a sinopse e algumas resenhas que me fizeram colocá-lo na minha estante. É muito bom! Haha.

    Beijinhos,
    Emily Swan

    http://livro-apaixonado.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  7. Parabéns pela ótima resenha!!!! Adorei e fiquei até curiosa para ler o livro, capa linda!!!!

    ResponderExcluir
  8. Oii ^^ Confesso que esse livro não despertou nenhum desejo em mim, até porque eu tenho uma mente bem confusa e complexa, e até eu entender esse livro ele já se tornoou cansativo e eu detesto quando a leitura fica assim porque eu tenho essa de nunca abandonar um livro i0i O que eu abandonei no Skoob eu nem comecei a ler :P Mas eu sempre gosto de arriscar em leituras realistas, que expressão fatos do cotidiano.

    Enfim... talvez eu ainda leia esse livro emprestado com alguém ^^ Mas é provável que eu não compre (Cá para nós, não to conseguindo juntar dinheiro nem para Romeu Imortal, imagine para esse livro)

    Mas adorei a resenha gata, super detalhada e de opinião bem sincera pelo que eu pude ver ^^

    Beijinhos,
    Kimy Gabrielli.
    blogkimygabrielli.blogspot.com

    ResponderExcluir
  9. Não é um título que me desperta o maior interesse do mundo, mas creio que seja uma leitura bastante válida!

    Beijão

    Lu Tazinazzo
    http://aceitaumleite.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  10. Eu tive a oportunidade de ler esse livro e eu adorei. É um bom livro que te faz refletir bastante sobre nossa relação com a família, não com a mãe. Achei interessante que apesar de o foco ser na relação mãe-filha, a autora expõe os laços familiares de uma maneira geral, pois a relação da Mariana com o seu pai também é bastante exposta e é o que me comoveu bastante. E também tem a relação dela com o irmão que apesar de tudo, é bem forte. E concordo com o que você falou sobre ela fazer as pazes com o passado depois da descoberta da gravidez. Eu imaginei a gestação como um dividor de água na vida da Mariana. Talvez um antes com uma relação mãe-filha conturbada e um depois com uma relação mãe-filha-neta, enfim. Mas de todo jeito, achei que a autora conseguiu transmitir ótimas mensagens com o livro e me agradou muito a leitura. :)

    Beijos
    www.carolinecuri.blogspot.com

    ResponderExcluir
  11. Eu gostei bastante do livro, só achei que a autora se perdeu um pouco no sentido do que ela queria, realmente como você disse, se as pazes foram feitas antes ou depois da gravidez...

    Beijinhos,
    May :*
    {tagarelando.net}

    ResponderExcluir
  12. O livro parece trazer uma estória bastante emocionante! ^^
    Ótima resenha!
    Beijos, Bia

    ResponderExcluir