(Resenha) Dear Heart, Eu Odeio Você! - J. Sterling

Livro no Skoob: Dear Heart, Eu Odeio Você!
Título Original: Dear Heart, I Hate You
Autora: J. Sterling
Editora: Faro Editorial
Páginas: 288
Ano: 2017

Você não sente nada? Culpa, dor ou remorso? Como você consegue se afastar tão facilmente?
Jules era viciada em trabalho. Colocando sempre o amor em segundo plano, sua principal meta era construir uma carreira com sólida reputação. Cal Donovan era muito parecido. Ele havia traçado uma lista de objetivos para alcançar na vida, e nela só havia espaço para ascensão profissional. Mas um encontro ao acaso muda tudo. De repente, o amor não parece uma distração para atrapalhar seus planos. Como fazer um relacionamento dar certo quando a sua cara-metade mora a milhares de quilômetros de você? Como viver esse amor sem abandonar tudo o que construiu? Algumas vezes as nossas mentes elaboram planos, estabelecem metas, perseguem sonhos. E algumas vezes os nossos corações ignoram as nossas mentes e decidem apostar no amor.

Ainda estou na dúvida sobre como falar desse livro, nesse exato momento e local estou me mordendo de vontade de mandar aquela mensagem pro crush que é viciado em trabalho e não consegue me da atenção, então como superar essa situação?

Jules tem foco, seu objetivo é claro, ela se dedica ao seu trabalho e é apenas isso que vem em primeiro lugar, relacionamentos são bem complicados e na maior parte do tempo acabam dando errado, então quando ela conhece Cal, que é em muitas formas bastante parecido com ela, eles se perguntam como um relacionamento entre eles iria funcionar, pois moram longe um do outro e se dedicam as suas carreiras, como fazer para esse romance durar?

O livro é bem rápido, quando percebemos já lemos como os dois se conheceram e como as coisas se complicaram com a distância, afinal sempre queremos estar pertinho de quem a gente gosta né? Aí eu me pergunto, como controlar a vontade pelo outro, a ânsia de ouvir a voz, nem que seja por telefone, aquele abraço que conforta e que você quer morar nele... gente alguém me bate por que acho que o cupido me flechou!

Novidades Literárias - Editora Martin Claret

A Editora Martin Claret está com tantas novidades incríveis, que vocês irão surtar com os livros que irei mostrar agora aqui no blog!

Confiram as novidades:

ORGULHO E PRECONCEITO, DE JANE AUSTEN - Design inspirado pelos bullet journals, desenvolvido por @sigaosbaloes. Edição 14x21, capa dura, cantos arredondados e pintura trilateral. O livro já está em pré-venda. 




Jane Austen inicia Orgulho e Preconceito com uma das mais célebres frases da literatura inglesa: "É uma verdade universalmente reconhecida que um homem solteiro e muito rico deve precisar de uma esposa". O livro é o mais famoso da escritora e traz uma série de personagens inesquecíveis e um enredo memorável. Austen nos apresenta Elizabeth Bennet como heroina irresistível e seu pretendente aristocrático, o sr. Darcy. Nesse livro, aspectos diferentes são abordados: orgulho encontra preconceito, ascendência social confronta desprezo social, equívocos e julgamentos antecipados conduzem alguns personagens ao sofrimento e ao escândalo. Porém, muitos desses aspectos da trama conduzem os personagens ao auto-conhecimento e ao amor. O livro pode ser considerado a obra prima da escritora, que equilibra comédia com seriedade, observação meticulosa das atitudes humanas e sua ironia refinada.

(Resenha) Marca da Destruição - Sylvia Day

Livro no Skoob: Marca da Destruição
Título Original: Eve of destruction
Série: Marked #2
Autora: Sylvia Day
Editora: Faro Editorial
Páginas: 336
Ano: 2016

Após receber a Marca e se tornar uma caçadora de demônios, Eva e Caim se apaixonam e começam a experimentar a transição do desejo insaciável para algo mais profundo. O corpo de Eva esta se adaptando a Marca, gerando uma incontrolável sede por sangue e outras tentações, que começam, a arrastá-la para uma via de luxuria sem limites.

Contém spoilers do livro anterior.

Terminei o segundo livro dessa série, e só posso dizer que eu estou com muito, mas muito medo mesmo. Porque curiosa como sou, já fui dar uma pesquisada sobre os próximos livros, e vi algumas críticas negativas sobre o final da série. E espero de verdade que a Sylvia não me decepcione, pois ela tem me surpreendido tanto até aqui, que essa série acabou conquistando o meu coração.

Eu estou simplesmente apaixonada por esse universo criado pela Sylvia, esse segundo livro conseguiu prender a minha atenção tanto quanto o primeiro. Se você ainda não leu "Marca da Escuridão" sugiro que pare a leitura dessa resenha por aqui pois ela pode conter spoiler, mas você deve clicar aqui e ir conferir o que eu achei do 1º livro da série Marked.

Eva já entendeu que é uma marcada, mas vai fazer de tudo para não continuar assim. Em quanto isso, ela vai seguir as regras para conseguir uma absorvição e também se proteger. Ela inicia então o seu treinamento de marcada, junto com outras pessoas, que não são muito empáticas com ela. Todo mundo sabe que ela é a mulher de Caim, e sabem também o quanto ele pode ser brutal, por isso, os outros não querem ficar próximos à ela. 

(Resenha) Sinceramente, Carter - Whitney G.

Livro no Skoob: Sinceramente, Carter
Título Original: Sincerely, Carter
Autora: Whitney G.
Editora: Universo dos Livros
Páginas: 400
Ano: 2017

Apenas amigos. Somos apenas amigos. Não, sério. Ela é só minha melhor amiga. Arizona Turner é minha amiga desde a quarta série, mesmo quando a gente “se odiava”. Acompanhamos a vida um do outro desde o primeiro beijo, a primeira vez, e somos uma constante na vida do outro quando os bons relacionamentos ficam ruins. Até nossas faculdades ficavam a minutos de distância uma da outra. 
Com o passar dos anos, e apesar do que dizem por aí, nunca ultrapassamos nenhum limite. Nunca sequer pensei a respeito.Nunca quis. Até que, certa noite, tudo mudou. Pelo menos devia ter mudado… 
Apenas amigos. Somos apenas amigos. Só estou dizendo isso até descobrir se ela ainda é “apenas” minha melhor amiga.

Me apaixonei por Sinceramente, Carter desde que assisti um vídeo em que a própria autora Whitney G. nos apresentava um pouco da história do seu livro, e dos seus personagens principais Carter e Arizona, sabia que teria que ler esse livro, afinal, amigos de infância que se apaixonam sempre foi um dos meus clichês favoritos! Comecei a leitura bem despretensiosamente, e acabei terminando em poucos dias, me diverti muito com esses amigos que possuem uma amizade bastante invejável!

Logo nas primeiras páginas somos apresentados ao prólogo do livro, nele já conhecemos um pouco da infância de Carter e Arizona, de como os dois se relacionavam na escola, e de como um detestava o outro exageradamente. Mas foi a partir desse ódio mútuo que a amizade entre os dois surgiu, tornaram-se então melhores amigos, e inseparáveis! A partir daí começamos a acompanhar a vida desses dois, seus amores, faculdade, e as emoções conflitantes que irão surgir.

Carter e Arizona são amigos que estão sempre juntos, mas isso vocês já sabem, e podem ter certeza é difícil acreditar que essa amizade tenha chegado tão longe, sem nunca acontecer nada entre os dois, mas até entendo, a amizade desses dois se desenvolveu na infância, cresceram juntos, e nunca se viram como um casal, e sim como grandes amigos, que sempre aconselhavam um ao outro, principalmente quando o assunto é relacionamento com outras pessoas, Carter nunca parou quieto com uma namorada, enquanto Arizona busca algo mais sério, após algumas desilusões amorosas.

(Resenha) Bela Gratidão - Corey Ann Haydu

Livro no Skoob:  Bela Gratidão
Título Original: Making Pretty
Autora: Corey Ann Haydu
Editora: Galera Record
Páginas: 432
Ano: 2017

Um romance sobre amadurecimento e a dureza de crescer em uma cultura que exige das mulheres nada menos que a perfeição. Corey Ann Haydu explora as complexidades da família, os limites do amor e quão duro é crescer em uma cultura que premia a beleza acima de qualquer outra coisa e cobra das mulheres nada menos que a perfeição. Uma leitura atual que dialoga direta e honestamente com a multiplicidade de questões enfrentadas por adolescentes e jovens no mundo todo – a confusão do primeiro amor, os dramas familiares e a construção da própria identidade no meio de toda essa loucura. O livro está cheio de personagens realistas, que tropeçam nos próprios medos e cometem erros com alguns dos quais é impossível não se identificar. Montana e sua irmã Arizona têm um pacto desde que a mãe as deixou: São elas duas contra todo o mundo. Com o pai sempre imerso em relacionamentos tóxicos e uma sucessão de madrastas essa foi a maneira que encontraram de seguir  em frente. Mas agora que Arizona foi para a faculdade Montana se sente deixada pra trás e perdida, mergulhando em uma amizade vertiginosa e empolgante com a ousada Karissa. No meio disso tudo, Montana encontra uma distração em Bernardo. Resta saber se Montana têm a confiança necessária no que sentem um pelo outro para encaixar Bernardo na sua vida imperfeita.

Bela Gratidão foi um livro que me chamou atenção primeiro pelo título, mas ao ler a sinopse fiquei ainda mais curiosa, e mesmo tendo terminado a leitura ainda não sei descrever essa experiência. O livro nos conta a história de duas irmãs Montana e Arizona, que após serem abandonadas pela mãe, cresceram vendo o pai entrando e saindo de um casamento após o outro.

Montana é a nossa narradora e através dela conhecemos os aspectos de sua família e vemos como ela se sente sozinha. Após sua irmã ir para a faculdade ela se sente ainda mais isolada e com o pai sempre ocupado ela acaba encontrando em Karissa mais que uma amizade, mas também uma esperança de que não esta sozinha. Durante o livro conhecemos mais da família de Montana, de suas ex-madrastas e os motivos que levaram sua mãe a abandoná-las, em meio a tudo isso esta Bernado, a promessa de um primeiro amor, mas com sua vida tão bagunçada como fazer sua vida normal o suficiente para isso? 

A narrativa é cheia de sentimentos, no início eu não entendi muito bem qual o rumo que estava seguindo, mas ao questionar amores, família, amizades, coisas pelas quais devemos nos sentir gratos, me deixou um sabor agridoce ao virar a última página, e um sentimento de que faltava algo, queria muito que a autora tivesse dedicado mais páginas para descrever a relação da Montana com seu pai, o relacionamento dos dois foi algo que me despertou um sentimento triste, não sabia se as atitudes dele eram propositais ou ele apenas não entendia como as suas ações estavam afetando suas filhas.

Crítica de Filme - Pantera Negra

Título: Pantera Negra
Título Original : Black Panther
Direção: Ryan Coogler
Duração: 2h 15 minutos
Gênero: Ação/Aventura
Ano de lançamento: 2018

Após a morte do rei T'Chaka (Jonh Kani), o príncipe T'Challa (Chadwick Boseman) retorna a Wakanda para a cerimônia de coroação. Nela são reunidas as cincos tribos que compõem o reino, sendo que uma delas, os Jabari, não apoia o atual governo. T'Challa logo recebe o apoio de Okoye (Danai Gurira), a chefe da guarda de Wakanda, da irmã  Shuri (Laetitia Wright), que coordena a área tecnológica do reino, e também de Nakia (Lupita Nyong'o), a grande paixão do atual Pantera Negra, que não quer se tornar rainha. Juntos, eles estão à procura de Ulysses Klaue (Andy Serkis), que roubou de Wakanda um punhado de vibranium, alguns anos atrás. 

Não costumo muito fazer resenhas de filmes, mas esse não sossegou em ficar apenas na minha cabeça e quem sou eu para dizer não a essa obra-prima? Pantera Negra chegou com tudo e já roubou a cena como um dos melhores filmes de super-herói da Marvel! Você quer DC?

Quando o filme estreou eu estava me recuperando de uma pequena cirurgia na garganta, então enquanto convalescia em meu leito de morte (Queen Drama passando) via todos os meus amigos comentando o quão foda o filme era e é claro as amigas que só falavam do T'Challa, vulgo homão da porra, e eu acompanhava tudo sofrendo em silêncio esperando minha hora chegar (de assistir o filme, não de morrer).

Então uma bela noite sem nem sequer esperar recebo um convite de um amigo que já tinha assistido ao filme e queria ir novamente por que uma vez só não basta, pulei de alegria e simbora para Wakanda! Para quem assistiu Guerra Civil e já conhecia nosso príncipe de ébano, sabe que agora ele herdeiro do trono ao perder seu pai se tornou o rei, então acompanhamos as preparações para sua coroação, mas para ter o direito de governar ele precisa se provar digno e para isso é tradição que ele seja desafiado pelas tribos que formam o reino.

(Resenha) Corte de Asas e Ruína - Sarah J. Maas

Livro no Skoob:  Corte de Asas e Ruínas
Título Original: A Court of Wings and Ruins
Série: Corte de Asas e Ruínas #3
Autora: Sarah J. Maas
Editora: Galera Record
Páginas: 687
Ano: 2017

O terceiro volume da série best-seller Corte de Espinhos e Rosas, da mesma autora da saga Trono de Vidro em “Corte de Asas e Ruína" a guerra se aproxima, um conflito que promete devastar Prythian. Em meio à Corte Primaveril, num perigoso jogo de intrigas e mentiras, a Grã-Senhora da Corte Noturna esconde seu laço de parceria e sua verdadeira lealdade. Tamlin está fazendo acordos com o invasor, Jurian recuperou suas forças e as rainhas humanas prometem se alinhar aos desejos de Hybern em troca de imortalidade. Enquanto isso Feyre e seus amigos precisam aprender em quais Grãos-Senhores confiar, e procurar aliados nos mais improváveis lugares. Porém, a Quebradora da Maldição ainda tem uma ou duas cartas na manga antes que sua ilha queime.

Esse resenha contém spoilers dos livros anteriores.  

Quem não lembra da resenha com ataque de fã girl ao término de Corte de Névoa e Fúria? Depois do final bombástico do segundo livro, imaginem como eu estava ansiosa para o final da trilogia!

O que não faltava para mim eram teorias, desejo de vingança por um certo personagem muito embuste, mas o que eu mais queria nesse livro era SANGUE, queria ver cabeças rolando e uma Feyre fodona, usando todos seus poderes recém adquiridos na vida-pós-morte, então quando iniciei a leitura surfando nessa onda trilouca, certa de que a autora continuaria do final do livro anterior, só para de deparar com uma Feyre bela, recatada e do lar, pintando seus quadros e se fazendo de sonsa, enquanto conspirava seus planos contra a corte Primaveril, ou do Tamlin (o tolo).

Eu fui lendo as páginas, com meu cérebro dando pane o tempo todo e uma mensagem de ERROR CADÊ O RHYS, mas fui forte, esperei pelo momento em que a Feyre iria sorrateiramente arrancar a cabeça do Tamlim durante o sono, ou algo igualmente satisfatório, esperei, esperei, e nada de sangue e gore pintando as paredes, certo, esperei mais um pouco suas tramas, Lanthe começou a cumprir o seu papel de tapete e ser pisada pela Gran-senhora da corte nortuna, Lucien estava em cima do muro, afinal sua parceira estava em outra corte, esperei mas um pouco mas ninguém morreu! O livro continuou e finalmente tivemos acontecimentos esperados que não me deixaram surtando, afinal uma guerra estava a caminho, existe muito trabalho político a ser feito.

Entre Livros e Filmes - Unleashing Mr. Darcy

Essa é, com certeza, a coluna mais inconstante desse blog, mas... O objetivo dela é sempre trazer para vocês conteúdos que realmente valem a pena.

E hoje nós temos não só uma adaptação, mas a adaptação da adaptação por assim dizer. Porque Jane Austen meu caros, nunca é demais.









Atrás de uma direção na vida, Elizabeth tem a oportunidade de mostrar seu cachorro num extravagante evento para cães em New York. O juiz, Donovan Darcy, se demonstra aristocrático e rude, e uma cadeia de mal-entendidos se desenrolam durante a competição, o que complica sua atração pelo o outro. Baseado no livro de Teri Wilson.

Estou falando do filme Unleashing Mr. Darcy. Ele é uma adaptação do livro de mesmo nome de Teri Wilson. Que por sua vez é inspirado em Orgulho e Preconceito. O livro ainda não foi publicado aqui no Brasil, e como meu nível de inglês é praticamente zero, eu não tive a oportunidade de ler. Porém, é possível encontrar o filme legendado pela internet, e curtir esse romance pra lá de fofo.


O filme é bem curtinho, e foi produzido pelo Hallmark Channel (Eu amo esse canal <3), tem uma trama bem leve, daquelas que você assiste para relaxar, tem Darcy, tem cachorros e tem um cena na piscina que gezuis.... lembram da do lago? Então...

(Resenha) As Garotas de Corona del Mar - Rufi Thorpe

Livro no Skoob: As Garotas de Corona del Mar
Título Original: The Girls from Corona del Mar
Autora: Rufi Thorpe
Editora: Novo Conceito
Páginas: 378
Ano: 2017

Amizade entre garotas pode ser intensa e, no caso de Mia e Lorrie Ann, não há dúvidas de que isso é verdade. À medida que crescem, a vida de Mia e Lorrie Ann é preenchida com praia, diversão e passeios ao shopping. Por outro lado, como toda amizade, há conflitos e dores. Mia e Lorrie Ann convivem há muito tempo e possuem personalidades opostas. Mia é a bad girl , vivendo em uma família problemática. Lorrie Ann é linda e amável, quase angelical, e tem uma família que parece ter sido arrancada de um conto de fadas. Mas, quando uma tragédia acontece, a vida perfeita sai fora de controle.

Quando resolvi ler esse livro da autora Rufi Thorpe não sabia bem o que esperar dessa história, mas com certeza não estava preparada para gostar tanto dessa leitura, e encontrar entre as páginas um enredo bem escrito, que me tocou de várias maneiras. 

As Garotas de Corona Del Mar não é um livro que chame atenção por sua capa, muito menos pela sinopse, ao menos não para mim, apesar da curiosidade que eu tive inicialmente, não esperava muito dessa leitura, acho que foi devido a esse fato que me surpreendi tanto ao conhecer Mia e Lorrie Ann, essas duas protagonistas me fizeram acreditar que eram reais, e que eu estava junto a elas acompanhando todos os seus dramas. 

Acho que o que posso falar para você sem tirar a encanto da leitura, e não deixar escapar nada é que esse é um livro sobre amizade, família, superação, amores e perdas, e há tanta beleza nisso que eu acabei o livro e fiquei me perguntando como seria ler do ponto de vista exclusivamente da Lorrien Ann, pois sempre somos apresentados a tudo pela Mia, e isso nos deixa curiosos para os demais fatos aos quais ela não viveu. Lorrie Ann sofreu duras perdas e tomou decisões que a Mia não aprovava, mas mesmo se considerando melhores amigas de sempre, a distância entre elas aumentou aos poucos, e isso nos faz refletir sobre o que é ser amigo(a) de alguém, como podemos saber se conhecemos alguém o bastante?

Entre Livros e Séries - When Calls the Heart

Olá, leitores!

O Carnaval está chegando, e se você, faz parte do bloco Unidos da Netflix, eu trouxe uma série muito fofa, que com certeza vão fazer vocês se apaixonarem assim como eu.







No início do século 20, a professora Elizabeth deixa para trás sua vida confortável na cidade para lecionar em uma vila no Canadá.


A série é produzida pelo Hallmark Channel, e conta atualmente com 4 temporadas disponíveis na Netflix, e é estrelando por Erin Krakow, Daniel Lissing e Lori Loughlin.


When Calls the Heart (Quando chama o coração) é uma série histórica, com uma trama bastante familiar, em cada episódio aprendemos alguma lição sobre amor, amizade, companheirismo, respeito, é lindo de se ver. Sem contar a fotografia que é de encher os olhos bem como o figurino. É romântica e divertida e os apaixonados por romances históricos vão adorar.

Elizabeth é uma personagem encantadora, que mesmo tendo crescido num lar rico, entende que precisa buscar seu próprio destino, e mesmo decidindo levar uma vida totalmente diferente do que costumava, ela aprende um pouco a cada dia sobre o que é realmente importante. O Jack então, nem se fala, no começo é todo rude com a Elizabeth, por achar que ela é uma riquinha mimada, mas a cada dia que passa ele a conhece melhor e acaba fascinado por ela.